a
Todos os direitos reservados 2022
Cardoso & Advogados Associados
.
CNPJ 24.723.912/0001-50

9:00 - 18:00

Abrimos de Segunda - Sexta.

(21) 3189-6625

Aguardamos pelo seu contato

Search
Menu

CPI da Covid ouve médicos defensores do 'tratamento precoce' nesta sexta

Cardoso Advogados Associados > Covid  > CPI da Covid ouve médicos defensores do 'tratamento precoce' nesta sexta

CPI da Covid ouve médicos defensores do 'tratamento precoce' nesta sexta

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A CPI da Covid se reúne nesta sexta-feira, 18, para votar uma série de requerimentos e, em seguida, ouvir dois médicos infectologistas defensores do “tratamento precoce” para covid-19: Ricardo Ariel Zimerman e Francisco Eduardo Cardoso Alves. Os dois foram chamados a pedido de senadores governistas.

  • O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor.

Zimerman afirma que os medicamentos usados no “tratamento precoce” da covid-19, como cloroquina e ivermectina, são eficazes. Alves vai na mesma linha e foi apontado como possível coautor da nota informativa do Ministério da Saúde que orientava o uso dos remédios.

Antes das audiências públicas, a CPI votará pedidos para que o ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel seja ouvido em uma reunião reservada. Em depoimento na última quarta-feira, 16, Witzel disse que tem “acusações gravíssimas” a fazer e se colocou à disposição para participar de uma sessão fechada e dar outras informações.

Os senadores também devem votar pedidos de convocação do atual governador do Rio de Janeiro, Claudio Castro, e do secretário de Saúde do estado, Alexandre Chieppe, que assumiu a pasta após a saída de Witzel e será questionado sobre suposto esquema de desvio de recursos no estado.

Em um dos requerimentos para a convocação de Claudio Castro, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirma que ele deve explicar a manifestação realizada pelo presidente Jair Bolsonaro na capital do estado em 23 de maio, data em que já estava vigente um decreto da prefeitura do Rio de Janeiro proibindo a realização de eventos em áreas públicas.

“Na ocasião, Bolsonaro fez um passeio de moto pela cidade e provocou aglomerações. Sem máscara, o presidente também subiu em um carro de som”, conta Randolfe, no requerimento. Para ele, a convocação de Castro é necessária “para esclarecer se houve autorização para esse evento ou se providências foram tomadas a respeito”.

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.