a
Todos os direitos reservados 2022
Cardoso & Advogados Associados
.
CNPJ 24.723.912/0001-50

9:00 - 18:00

Abrimos de Segunda - Sexta.

(21) 3189-6625

Aguardamos pelo seu contato

Search
Menu

Lucro da Johnson & Johnson sobe 73% no 2º trimestre, para US$ 6,27 bi

Cardoso Advogados Associados > Covid  > Lucro da Johnson & Johnson sobe 73% no 2º trimestre, para US$ 6,27 bi

Lucro da Johnson & Johnson sobe 73% no 2º trimestre, para US$ 6,27 bi

O grupo farmacêutico norte-americano Johnson & Johnson anunciou nesta quarta-feira, 21, que teve alta de 73,1% no seu lucro líquido durante o segundo trimestre de 2021, a 6,278 bilhões de dólares, na comparação anual. 

  • A pandemia mexeu com a economia e os negócios no mundo todo. Aprenda a investir com a EXAME Academy

Alex Gorsky, diretor-presidente da farmacêutica, destacou o bom desempenho trimestral da empresa em todos os segmentos de atuação. O faturamento total da empresa, que inclui também a divisão farmacêutica (+ 17,2%) e a divisão de produtos de higiene pessoal e saúde como cremes (+ 13,3%), aumentou 27,1%, para 23,312 bilhões de dólares. O resultado veio acima do esperado por analistas.

No segundo trimestre, o grupo aproveitou as campanhas de vacinação nos Estados Unidos, o que permitiu a volta dos procedimentos clínicos não urgentes e a retomada das vendas de dispositivos médicos, como próteses, que cresceu 62,7%.

A empresa, que comercializa o imunizante a preço de custo, vendeu doses de sua vacina contra a covid-19 pelo valor total de 164 milhões de dólares no segundo trimestre, superando os 100 milhões no primeiro trimestre, detalhou o comunicado sobre seus resultados trimestrais.

Esses números são relativamente pequenos se comparados às vendas de vacinas contra o coronavírus das empresas Moderna ou Pfizer, esta última com planos em maio de faturar 26 bilhões de dólares em todo o mundo este ano.

Aprovada com urgência nos Estados Unidos em fevereiro, a vacina da J&J sofreu vários contratempos, incluindo uma suspensão de 10 dias em sua aplicação em abril, após relatos de que mulheres desenvolveram casos graves de coágulos sanguíneos, além de problemas de produção em uma fábrica em Baltimore.

Com os bons resultados, a farmacêutica prevê a venda de 2,5 bilhões de dólares em vacinas contra a covid-19 até 2021.

Com informações da AFP.

  • Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME