a
Philipe Cardoso Sociedade Individual de Advocacia
CNPJ. 24.723.912/0001-50

Facebook

Twitter

Cardoso & Advogados Associados 2020
Todos os direitos reservados.

9:00 - 18:00

Funcionamento Seg. - Sex.

(21) 3189-6625

(21) 9.8189-6625

WhatsApp

LinkedIn

Facebook

Instagram

Search
Menu
 

Senado aprova ajuda a empresas de eventos e turismo

Cardoso & Advogados Associados > Blog Cadv  > Artigos Jurídicos  > Legislação  > Senado aprova ajuda a empresas de eventos e turismo

Senado aprova ajuda a empresas de eventos e turismo

[ad_1]


Entre as propostas do projeto, débitos com o Fisco e a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) poderão ter um desconto de até 70% do valor total da dívida O Senado aprovou nesta terça-feira (30) projeto que estabelece ações para ajudar o setor de eventos e compensar os efeitos da pandemia. Com alterações, a matéria voltará à Câmara dos Deputados.

Pela proposta, fica instituído o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse). Débitos com o Fisco e a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) poderão ter um desconto de até 70% do valor total da dívida. Além disso, haverá um prazo de até 145 meses para pagar, exceto débitos previdenciários, para os quais a Constituição limita o parcelamento em 60 meses.

O Perse prorroga até 31 de dezembro de 2021 o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda para as áreas de eventos e turismo. O programa garante o pagamento, pelo governo federal, de parte do seguro-desemprego ao trabalhador que teve o contrato de trabalho suspenso ou reduzido (salário e carga horária). O valor pode chegar a 100%, proporcional à redução (se houver redução de 85% do salário, por exemplo, o benefício seria de 85% do seguro).

7,5 milhões de empregos
O mercado de eventos é formado por, ao menos, 52 segmentos, que englobam segurança, marketing, transporte, logística, hospedagem, alimentação, infraestrutura e centros de convenções, entre vários outros. Com mais de 60 mil empresas e 7,5 milhões de empregos diretos, indiretos e terceirizados na economia nacional – número maior do que o gerado pela indústria automobilística –, o setor de eventos contribuiu com R$ 48,69 bilhões de impostos.

A relatora Daniella Ribeiro (PP-PB) apontou, no seu relatório, que estimativas de representantes do setor indicam que 51,9% dos eventos programados para 2020 foram cancelados, adiados sem data definida ou reagendados para datas futuras. O adiamento ou cancelamento dos maiores eventos no Brasil representou, em um período de apenas dois meses, um prejuízo médio de R$ 80 bilhões.

[ad_2]

Source link

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.

NA REDE