a
Todos os direitos reservados 2022
Cardoso & Advogados Associados
.
CNPJ 24.723.912/0001-50

9:00 - 18:00

Abrimos de Segunda - Sexta.

(21) 3189-6625

Aguardamos pelo seu contato

Search
Menu

Anvisa diz que não há estudo conclusivo sobre 3ª dose e que autorizou 2 pesquisas

Cardoso Advogados Associados > Covid  > Anvisa diz que não há estudo conclusivo sobre 3ª dose e que autorizou 2 pesquisas

Anvisa diz que não há estudo conclusivo sobre 3ª dose e que autorizou 2 pesquisas


Pfizer a AstraZeneca receberam a liberação para investigar efeitos e necessidade de uma dose extra contra a Covid-19. Agência afirma que ‘todas as vacinas autorizadas no Brasil garantem proteção contra doença grave e morte’. Profissional de Saúde segura frasco da vacina da AstraZeneca em Boa Vista
Katarine Almeida/Prefeitura de Boa Vista
Após autorizar uma nova pesquisa sobre a aplicação de uma 3ª dose contra a Covid-19, desta vez com pedido feito pela AstraZeneca, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) esclareceu, nesta quarta-feira (14), que “ainda não há estudos conclusivos sobre a necessidade” de mais uma aplicação dos imunizantes disponíveis no Brasil.
BUTANVAC: ‘Brasileiros precisarão se vacinar novamente’, diz Doria
MAIS ESTUDOS: Anvisa autoriza testes da vacina da Sanofi contra Covid-19
Segundo a agência, dois pedidos foram feitos até o momento para estudos sobre os efeitos de uma dose adicional — além das duas aplicações já previstas em bula. A Pfizer foi a primeira farmacêutica a conseguir a autorização, ainda em 18 de junho. A AstraZeneca conseguiu a liberação nesta quarta-feira.
“A Anvisa vem acompanhando as discussões, as publicações e os dados apresentados sobre o surgimento de novas variantes do vírus Sars-CoV-2 e seu impacto na efetividade das vacinas. Até agora, todas as vacinas autorizadas no Brasil garantem proteção contra doença grave e morte, conforme os dados publicados”, disse a nota da reguladora.
Dose extra em SP
Na sexta-feira (9), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, participaram do início dos testes clínicos da ButanVac, vacina brasileira em desenvolvimento contra a Covid-19.
De acordo com Doria, a expectativa é que ela possa ser aplicada a partir de 2022, quando a população deverá ser vacinada novamente contra o vírus, em uma terceira dose.
“A partir de janeiro do ano que vem, todos os brasileiros precisarão se vacinar novamente. Pela ordem, evidentemente, daqueles que foram vacinados em janeiro, começaram em janeiro, fevereiro, e sequencialmente”, disse.
Brasileiros terão que se vacinar contra a Covid-19 novamente em 2022, diz Doria
O diretor do Butantan afirmou que 10 milhões de doses já foram produzidas pelo instituto para distribuição após a conclusão dos testes e autorização da Anvisa para aplicação.
“Nós já estamos produzindo essa vacina. Quer dizer, já temos o equivalente a mais de dez milhões de doses prontas, aguardando os resultados iniciais desse estudo clínico que se inicia aqui hoje, para definir como serão as próximas fases e qual será a confirmação final da vacina”.

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.