a
Todos os direitos reservados 2022
Cardoso & Advogados Associados
.
CNPJ 24.723.912/0001-50

9:00 - 18:00

Abrimos de Segunda - Sexta.

(21) 3189-6625

Aguardamos pelo seu contato

Search
Menu

Biden convoca reunião do G7 sobre Afeganistão: 'faremos todo o possível'

Cardoso Advogados Associados > Covid  > Biden convoca reunião do G7 sobre Afeganistão: 'faremos todo o possível'

Biden convoca reunião do G7 sobre Afeganistão: 'faremos todo o possível'

O presidente americano, Joe Biden, fez novo pronunciamento nesta sexta-feira, 20, com atualizações sobre o processo de evacuação dos cidadãos americanos e aliados no Afeganistão.

  • Aprenda a investir neste e-book gratuito da EXAME

O presidente falou nesta tarde ao lado da vice-presidente Kamala Harris e do secretário de Estado, Antony Blinken.

No pronunciamento, o segundo em menos de uma semana, Biden disse ter conversado nos últimos dias com a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente francês, Emmanuel Macron, e o premiê britânico, Boris Johnson.

As potências decidiram convocar para a semana que vem uma reunião do G7, grupo das sete democracias mais ricas do mundo.

“Juntos, poderemos coordenar nossa abordagem mútua e unida para o Afeganistão daqui para a frente”, disse Biden.

Segundo o presidente, será discutido o papel da comunidade internacional para fornecer alimentos e refúgio à população do Afeganistão, além de proteção aos direitos das mulheres.

No entanto, ainda está pouco claro quais medidas as potências têm de fato capacidade de tomar diante do controle do Talibã, que tomou a capital do Afeganistão no fim de semana no vácuo da retirada das tropas americanas.

Embora algumas escolas de meninas ainda estejam abertas, há grande risco de que mulheres possam perder direitos como na última vez em que o Talibã governou, de 1996 a 2001.

Na fala de hoje, direcionada sobretudo aos eleitores americanos, Biden tentou também dividir a responsabilidade sobre a retirada com outros países da Otan, aliança militar ocidental.

“Por 20 anos, o Afeganistão tem sido um esforço conjunto dos nossos aliados da Otan”, disse. “Nós entramos juntos, e estamos saindo juntos. E agora estamos trabalhando juntos para trazer nossa população e nossos aliados de volta à segurança.”

Caos na retirada

O processo de evacuação é hoje uma das principais frentes de críticas ao governo Biden dentro dos EUA.

Há milhares de americanos no país que ainda não conseguiram fugir, além dos aliados afegãos que ajudaram as forças americanas durante as duas décadas de ocupação e hoje estão em risco.

“Cada americano que queira vir para casa, nós vamos trazê-los para casa”, disse. “Mas não se enganem: essa missão de evacuação é perigosa. Envolve riscos para nossas forças e tem sido conduzida em circunstâncias difíceis.”

Biden disse que “não posso prometer qual será o resultado” e que também não é garantido que “não haverá perdas”, mas que “mobilizará todos os recursos necessários”.

Pessoas retiradas do Afeganistão embarcam em avião da Força Aérea da Alemanha em Tashkent, no UzbequistãoMarc Tessensohn/Twitter @Bw_Einsatz/Divulgação/Reuters

O presidente afirmou que foram evacuados desde 14 de agosto mais de 13.000 pessoas. Disse ainda que mais de 2.000 jornalistas dos principais veículos americanos foram evacuados, muitos deles afegãos que ajudaram na cobertura.

Os EUA também estão, segundo Biden, “facilitando” a partida de missões de países aliados e jatos privados.

A demora e os riscos no processo de retirada têm feito Biden e nomes como o secretário Blinken, principal autoridade diplomática do governo, serem alvo de críticas. A popularidade do governo Biden já chega ao menor nível desde que tomou posse, em janeiro.

O aeroporto de Cabul, capital do Afeganistão, foi no começo da semana palco de cenas trágicas com afegãos tentando embarcar em voos estrangeiros. Ao menos duas pessoas caíram de um avião americano que decolava, e restos mortais foram encontrados em turbinas.

O governo americano havia dito ter capacidade de retirar 8.000 pessoas por dia do país, mas só 2.000 tem sido evacuadas diariamente, devido a motivos como demora na burocracia de vistos e a dificuldade dos próprios americanos e aliados em chegar ao aeroporto, devido a barricadas do Talibã pela cidade.

Em Cabul, o aeroporto é a única área ainda controlada pelos EUA, que enviou milhares de homens para garantir a evacuação.

Na fala de hoje, Biden voltou a ameaçar o Talibã e, como no último pronunciamento, disse que ataques ao aeroporto serão respondidos.

Muitos afegãos tentam um status de refugiado nos EUA ou em outros países, mas não estão conseguido deixar o país ou ter a papelada autorizada em tempo.

“Os EUA mantêm o compromisso que fez a essas pessoas”, disse Biden, que tem sido criticado pela demora dos EUA em conceder vistos.

Uma das principais críticas é que milhares de afegãos que foram aliados na ocupação americana, como intérpretes, estão há anos esperando um visto especial. Caso já tivessem os papeis, poderiam ter fugido do país antes da queda do governo. Com o caos em Cabul, essa demora dos anos anteriores agora cobra seu preço.

Para além da dificuldade com os vistos, agências de notícias em solo no Afeganistão já apontam que pessoas tentando chegar ao aeroporto estão sendo atacadas pelo Talibã ou impedidas de prosseguir.

Na reunião do G7, uma das principais dúvidas será sobre como as potências ocidentais lidarão com o novo governo do Talibã.

Antes da invasão americana, em 2001, o governo talibã era tido como pária internacional e isolado; agora, analistas apontam que é possível que o Ocidente tente algum tipo de negociação que force o Talibã a resguardar direitos humanos. A estratégia a ser adotada pelos países da Otan ainda é uma incógnita.

Tenha acesso ilimitado às principais análises sobre o Brasil e o mundo. Assine a EXAME.