a
Todos os direitos reservados 2022
Cardoso & Advogados Associados
.
CNPJ 24.723.912/0001-50

9:00 - 18:00

Abrimos de Segunda - Sexta.

(21) 3189-6625

Aguardamos pelo seu contato

Search
Menu

Como acertar o “timing” para comprar ou vender ações?

Cardoso Advogados Associados > Covid  > Como acertar o “timing” para comprar ou vender ações?

Como acertar o “timing” para comprar ou vender ações?

Por Jair Lemes*

Aqui está um sábio conselho de investimento que você normalmente não encontra em nenhuma folha de dicas, boletim informativo ou coluna semanal sobre mercados de capitais. 

Você deve comprar ações antes que elas subam vertiginosamente. Quando elas estiverem prestes a cair, você deve vendê-las. Parabéns! Se você conseguiu, lhe entrego minha licença de gestor de investimentos e te contrato, assim poderei viver de meus dividendos em alguma ilha distante dos inúmeros problemas que enfrentamos no nosso país.

É uma pena que apenas alguns poucos conseguem fazer isso.  No entanto, a ideia de sincronizar o mercado – todos os altos, sem baixos – permanece sedutora.

Quem investe em ações, em um momento ou outro, já imaginou que pode vender no topo e comprar novamente quando o preço da ação estiver no fundo do poço, aproveitando o retorno das ações e evitando os riscos. Parece simples! Se as ações são caras e os investidores parecem desatentos, você deve sair do mercado.  Quando o preço cair, como certamente acontecerá, compre de novo.

Há muito deste pensamento por aí neste momento.  A combinação de mídia social e aplicativos de negociação de baixo custo voltados para pequenos investidores está por trás de muito agrupamento em ações da moda.  Em tais circunstâncias, é tentador tentar “contrariar” a direção do rebanho, mas acertar o “timing” do mercado é mais difícil do que parece.  Poucos têm habilidade, temperamento ou foco para fazê-lo de maneira lucrativa.  Os preços das ações são voláteis.  O axioma costumava ser que eles são uma caminhada aleatória (Random Walk), alguns também podem chamar de sorte: seus níveis atuais não nos dizem nada sobre para onde estão indo.  Desde então, surgiu uma visão menos purista.  Isso diz que o rendimento dos lucros é um guia decente para os retornos esperados sobre as ações no longo prazo.  Simplificando, os altos preços das ações agora significam retornos mais baixos no futuro. 

Os mais perspicazes notarão que sempre que os preços das ações sobem muito mais rápido do que os lucros, eles tendem a cair novamente.  Mas os aspirantes a cronômetros humanos de mercado não poderiam saber com precisão quando vender.  Nunca é óbvio se o preço está perto de um pico ou vale.  Estudos de “timing” guiados por métricas de avaliação mostram resultados decepcionantes em comparação com apenas comprar e manter ações durante o período. 

Quando o mercado entra em crise, não é tão fácil agir. É preciso coragem para comprar quando todos estão vendendo e atrasar parece sensato, afinal, os preços sempre podem cair novamente.  O destino de muitos cronômetros humanos de mercado é recomprar ações a preços mais elevados do que aqueles pelos quais foram vendidas.  Apesar dos baixos retornos esperados de hoje, as ações ainda têm algum apelo por causa da escassez de retornos em oferta em outros mercados de ativos (os ativos alternativos).  

Se taxas de juros reais baixas são o principal suporte para os preços das ações, então, qualquer tentativa de ajustar o tempo do mercado de ações é, em essência, uma aposta em como a inflação evolui e como os bancos centrais reagem a ela.  Lhe desejo boa sorte em tentar adivinhar isso! 

As forças por trás do declínio de décadas nas taxas de juros reais e da inflação crescente não são bem compreendidas, mesmo por pessoas que passaram muito tempo pensando nelas.  É difícil para a maioria dos investidores fazer julgamentos com que rapidez sobre se essas tendências seculares se reverterão. Sim, há algo estranho nos rendimentos de títulos reais negativos.  No Brasil, eles são uma novidade, mas na Europa e no Japão eles duraram muito mais tempo do que muitas pessoas pensaram ser possível. 

O agnosticismo sobre seu caminho futuro é provavelmente a melhor política. Seria ótimo ter altos sem baixos, mas as recompensas do investimento geralmente vêm com riscos.  O conselho dos céticos do “timing the Market” é o seguinte:  corra riscos até o ponto em que o seu nível de preocupação ainda lhe permita descansar à noite; diversifique seus investimentos amplamente em ativos e regiões geográficas (o que nos leva a outra questão: como diversificar de forma saudável?); e lembre-se: o tempo é uma armadilha. 

Se houvesse sinais de negociação confiáveis todos os seguiriam e, então, não haveria grandes oportunidades para vender na alta e ninguém para comprar na baixa pois o mercado arbitraria isto muito rapidamente.

*Jair Lemes é Diretor de Gestão e CEO da Brava Capital, apresentador do quadro Capital Inteligente no programa Inova 360 da Record News, Colunista no portal R7 e Professor de Finanças na CFA Society Brasil. Jair é administrador com MBA pela FIA / USP e Mestrado Profissionalizante em Gestão e Economia pela (ESA) IAE Université Pierre Mendès da França. Iniciou sua carreira em seguros na empresa espanhola Mapfre. Trabalhou em países como Japão e Reino Unido no setor de telecomunicações e tecnologia. Trabalhou no Citibank nas áreas Operacional e de Produtos enquanto lecionava em universidade.

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.