a
Todos os direitos reservados 2022
Cardoso & Advogados Associados
.
CNPJ 24.723.912/0001-50

9:00 - 18:00

Abrimos de Segunda - Sexta.

(21) 3189-6625

Aguardamos pelo seu contato

Search
Menu

CPI ouve nesta sexta servidor que atuou no processo de compra da Covaxin

Cardoso Advogados Associados > Covid  > CPI ouve nesta sexta servidor que atuou no processo de compra da Covaxin

CPI ouve nesta sexta servidor que atuou no processo de compra da Covaxin

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A CPI da Covid volta a focar nos indícios de irregularidades nas negociações pela vacina indiana Covaxin. Nesta sexta-feira, 9, será ouvido o servidor do Ministério da Saúde William Amorim Santana, que atua na divisão de importação da pasta e teria apontado problemas no contrato entre a União e a Bharat Biotech, representada no Brasil pela Precisa Medicamentos, para aquisição de 20 milhões de doses do imunizante.

  • O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor 

Segundo o requerimento de convocação, apresentando pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), William “tem conhecimento de informações relevantes” a respeito do contrato. Ele foi citado na terça-feira, 6, no depoimento da servidora Regina Célia de Oliveira, a fiscal de contratos do ministério que teria autorizado o andamento das negociações, mesmo diante de possíveis irregularidades.

Regina Célia afirmou que William apontou, em e-mail enviado a ela, que o quantitativo de doses previsto no contrato estava abaixo do número que havia sido negociado — 3 milhões, em vez de 4 milhões. O chefe da divisão de Importação e, portanto, superior hierárquico de William é Luis Ricardo Miranda, irmão do deputado Luis Miranda (DEM-DF), que levou a público as irregularidades no contrato.

Durante o depoimento de Regina Célia, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) perguntou qual é a diferença entre o trabalho da fiscal de contratos e o de William, já que, segundo a servidora, teria sido ele o responsável por apontar inconsistências. Ela respondeu apenas que “ele é subordinado ao senhor Luis Ricardo”.

“Ele encaminhou o e-mail para mim, colocando toda a análise da proforma invoice, que é o checklist que eu falei para vocês, descrito no e-mail”, explicou Regina Célia. Invoice é uma espécie de nota fiscal do contrato. Ao fazer o checklist, ele apontou o problema na quantidade de doses. “Não é a fiscalização do contrato. É a avaliação da invoice”, disse a servidora.

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) perguntou se foi só por causa de William, que apontou as irregularidades, que foram feitas as alterações no contrato. “Sim. É atribuição da área dele”, respondeu Regina. Com as falas da servidora a respeito das atribuições de William, os senadores concluíram que ele fiscalizou mais do que a servidora que é, de fato, fiscal.

Com base nesses relatos, William foi convocado a prestar depoimento à CPI. Contarato defendeu a convocação de William por ter concluído que “foi ele quem mais apontou as irregularidades que estavam no contrato da Covaxin”. A senadora Simone Tebet (MDB-MS), que o chamou de “verdadeiro fiscal”, concordou e ressaltou que a Precisa mudou as invoices depois da denúncia feita “por um simples servidor de carreira”.

 

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.