a
Todos os direitos reservados 2022
Cardoso & Advogados Associados
.
CNPJ 24.723.912/0001-50

9:00 - 18:00

Abrimos de Segunda - Sexta.

(21) 3189-6625

Aguardamos pelo seu contato

Search
Menu

CPI ouve Ricardo Barros, líder do governo na Câmara, nesta quarta

Cardoso Advogados Associados > Covid  > CPI ouve Ricardo Barros, líder do governo na Câmara, nesta quarta

CPI ouve Ricardo Barros, líder do governo na Câmara, nesta quarta

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

A CPI da Covid ouve nesta quinta-feira, 12, o deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara. O parlamentar entrou na mira do colegiado em 25 de junho, quando foi citado no depoimento do deputado federal Luis Miranda (DEM-DF).

  • A política vai seguir dando o tom na bolsa? Vai. E você pode aproveitar as oportunidades. Aprenda a investir com a EXAME Academy.

À CPI, Miranda disse que avisou o presidente Jair Bolsonaro sobre pressões atípicas sofridas pelo irmão, Luis Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde, pela importação da vacina indiana Covaxin. Ao ouvir o relato, em 20 de março, Bolsonaro teria mencionado o nome de Barros.

Segundo Miranda, quando Bolsonaro soube da pressão acima do normal pela liberação da importação da Covaxin, mesmo diante de indícios de irregularidades no contrato, “o presidente entendeu a gravidade” e afirmou que “isso é coisa” de Barros.

O deputado do PP nega envolvimento em irregularidades e, no mês passado, insistiu para que a CPI o ouvisse o mais rápido possível. Bolsonaro, no entanto, nunca desmentiu Miranda nem saiu em defesa do líder do governo na Câmara.

A CPI aprovou o pedido de convocação de Barros em 30 de junho. O requerimento, do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), ressalta que ele teria sido mencionado pelo próprio presidente “no cometimento de potenciais ilícitos no contexto de negociação e compra da Covaxin”. 

O caso Covaxin trouxe à tona indícios de que Bolsonaro teria prevaricado, pois soube de um possível esquema de corrupção na negociação da Covaxin, mas não tomou nenhuma providência. 

Segundo o Código Penal, é crime de prevaricação “retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal”.


Toda semana tem um novo episódio do podcast EXAME Política. Disponível abaixo ou nas plataformas de áudio Spotify, Deezer, Google Podcasts e Apple Podcasts