a
Todos os direitos reservados 2022
Cardoso & Advogados Associados
.
CNPJ 24.723.912/0001-50

9:00 - 18:00

Abrimos de Segunda - Sexta.

(21) 3189-6625

Aguardamos pelo seu contato

Search
Menu

Entenda o que são 'twisties', problema relatado por Simone Biles nas Olimpíadas de Tóquio

Cardoso Advogados Associados > Covid  > Entenda o que são 'twisties', problema relatado por Simone Biles nas Olimpíadas de Tóquio

Entenda o que são 'twisties', problema relatado por Simone Biles nas Olimpíadas de Tóquio


Problemas de saúde mental afetam a noção de espaço, o que pode ser perigoso para ginastas. Simone Biles disputa final feminina de equipes da ginástica artística nos Jogos de Tóquio
Lindsey Wasson/Reuters
A estrela americana da ginástica artística Simone Biles citou o fenômeno da perda de noção de espaço — twisties — para explicar sua desistência da final individual geral nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Saiba o que são twisties no VÍDEO abaixo
Entenda os ‘twisties’ que tiraram Simone Biles das finais olímpicas
LEIA TAMBÉM:
Tudo sobre as Olimpíadas de Tóquio no ge
Além de Biles, outros atletas citaram problemas de saúde mental; relembre
O desabafo de Simone Biles e o que podemos aprender com isso
Subprocurador dos EUA xinga aleta e toma bronca de chefe
Essa perda de referências no ar, conhecida principalmente pelos ginastas de trampolim, pode ser reforçada ou ocasionada pelo estresse e principalmente colocar o atleta em perigo.
De repente, o corpo do atleta não responde mais a ele mesmo, e suas referências desaparecem. Uma espécie de desconexão que leva à desorientação.
Na tarde de terça-feira (27), quando Simone Biles, para surpresa de todos, decidiu deixar a competição por equipes, ela explicou que não queria “arriscar se machucar, ou fazer algo estúpido, ao participar dessa competição”. Depois, ela desistiu também da final individual geral, competição que teve a brasileira Rebeca Andrade com a medalha de prata.
Voltar a aprender
Simone Biles
Mike Blake/Reuters
Esse fenômeno de perda de controle do corpo e da noção de espaço é “complexo”, explica um técnico francês à AFP, e é difícil de resolver. Pode ser “reforçado pela pressão”. A ginasta vítima desse fenômeno é “absorvida pelo medo de se perder” e, posteriormente, de se ferir gravemente.
Nestas últimas horas, várias ginastas contaram nas redes sociais terem sofrido “twisties”. Pode ser mais ou menos intenso e levar um certo tempo para ser superado.
“Eu tenho ‘twisties’ desde os 11 anos de idade. Não posso imaginar como deve ser assustador, se acontecer durante uma competição”, contou a ginasta americana Aleah Finnegan.
“Você não tem nenhum controle sobre seu corpo e sobre o que ele faz”, relata, acrescentando que é “difícil explicar para alguém que não faz ginástica”.
A ginasta suíça Giulia Steingruber, especialista em saltos, que participa da final da competição geral na tarde desta quinta-feira em Tóquio, também relatou que teve um “bloqueio mental” semelhante em 2014.
“Fiquei com muito medo” e “não conseguia superar isso”, conta a atleta, em um documentário. “Teve que reaprender tudo aos poucos”, diz seu treinador.
VÍDEO: Decisão de não competir indica limite do estresse para Simone Biles
Pressão, estresse e ansiedade podem favorecer o surgimento desses “twisties”. Simone Biles, que conquistou cinco medalhas olímpicas no Rio, falou da pressão que sofre há meses, o ano do confinamento, o adiamento dos Jogos, fatores que a abalaram muito no início.
No entanto, “Simone tem um equilíbrio incrível no ar”, havia dito Aime Boorman, sua treinadora de longa data, à mãe de Simone quando ela tinha apenas seis anos.
“Você sabe exatamente onde está no ar quando faz um giro e instintivamente sabe como cair sobre seus pés para fazer a aterrissagem corretamente. É algo que um treinador não pode ensinar”, disse a ela.
Initial plugin text

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.