a
Todos os direitos reservados 2022
Cardoso & Advogados Associados
.
CNPJ 24.723.912/0001-50

9:00 - 18:00

Abrimos de Segunda - Sexta.

(21) 3189-6625

Aguardamos pelo seu contato

Search
Menu

Grávidas só devem tomar Pfizer ou CoronaVac, diz Ministério da Saúde; pasta veta mistura de doses

Cardoso Advogados Associados > Covid  > Grávidas só devem tomar Pfizer ou CoronaVac, diz Ministério da Saúde; pasta veta mistura de doses

Grávidas só devem tomar Pfizer ou CoronaVac, diz Ministério da Saúde; pasta veta mistura de doses


As grávidas que já receberam a vacina da AstraZeneca vão completar a imunização com a mesma vacina após o puerpério, segundo o ministro Marcelo Queiroga. Covid-19 tem sido a principal causa da morte de grávidas e puérperas no Ceará, diz Sesa
SAULO ANGELO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou, em coletiva nesta quinta-feira (8), que grávidas sem comorbidades poderão se vacinar contra a Covid-19, desde que isso seja feito com a vacina da Pfizer ou a CoronaVac.
As vacinas de vetor viral – a da AstraZeneca e da Johnson – não deverão ser utilizadas em grávidas.
Na terça-feira (6), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já havia recomendado que grávidas não recebessem as vacinas de vetor viral.
O ministro também disse que a combinação de vacinas – receber a primeira dose de uma vacina seguida da segunda dose de outra – não está autorizada nem em gestantes, nem em nenhum público – e que os municípios não devem fazer a combinação por conta própria.
“Os secretários estaduais, municipais, têm autonomia, mas não para mudar o cerne do que foi discutido na política tripartite. Não pode ficar criando esquemas vacinais diferentes de maneira discricionária sem ouvir o Programa Nacional de Imunizações”, disse Queiroga.
A combinação da primeira dose da AstraZeneca com a segunda dose da Pfizer em grávidas já havia sido autorizada em pelo menos dois estados: no Rio de Janeiro e no Ceará. No caso do Ceará, a autorização também foi estendida a puérperas.
“A intercambialidade não está autorizada em grávidas ou em não grávidas”, reforçou o ministro.
As grávidas que já receberam a vacina da AstraZeneca vão completar a imunização com a mesma vacina após o puerpério (período de 45 dias após o parto), segundo o ministro.
Infográfico mostra como funcionam vacinas de vetor viral contra o coronavírus
Anderson Cattai/G1
Vacinação em gestantes: números
Mesmo antes da nova orientação do Ministério da Saúde, vários municípios já vacinavam grávidas sem comorbidades.
Segundo dados apresentados pela secretária extraordinária de enfrentamento à Covid-19, Rosana Leite de Melo, 313.235 grávidas já foram vacinadas contra a Covid no Brasil, da seguinte forma:
201.452 receberam a Pfizer
63.581 receberam a CoronaVac
48.202 receberam a AstraZeneca.
Entre as vacinadas – com qualquer vacina –, foram identificados 439 eventos adversos. Desses, 24 foram graves. Entre eles, houve 4 mortes, mas 3 não tiveram relação com a vacina. Uma morte foi relacionada à vacina, mas o óbito não teve relação causal com a gestação, segundo a pasta.
Vacina AstraZeneca: quais os sintomas, as reações e os possíveis efeitos colaterais entre vacinados?
O ministério chegou a orientar a vacinação de gestantes sem comorbidades, mas, depois, a orientação foi mudada por causa da morte de uma gestante.
Rosana Leite de Melo explicou que a nova decisão de vacinar todas as grávidas – com ou sem comorbidades – veio após uma análise de risco-benefício que considerou a situação do Brasil na pandemia.
Segundo dados apresentados pela pasta, o Brasil já registrou 1,4 mil mortes de gestantes por Covid-19.
“A mortalidade [por Covid-19] que vem nesse grupo é aproximadamente 39 por 100 mil gestantes. Isso causou muita preocupação. Lembrando que estudos em fase 3 para gestantes não existem, então nós analisamos o risco-benefício e, a partir daí, [recomendamos a vacinação] com esses imunizantes, que seriam a CoronaVac ou a vacina da Pfizer”, explicou.
Segunda dose e ‘sommeliers’ de vacina
O ministro lembrou, ainda, que as pessoas devem receber a segunda dose da vacina para completar a imunização (exceto no caso da vacina da Johnson, que é de dose única).
Queiroga reforçou, também, que o momento não é de escolher a vacina.
“Todos os agentes imunizastes do PNI são seguros, eficazes, efetivos, portanto não é uma questão de escolher vacina A,B,C ou D. A boa vacina é aquela que foi aplicada”, declarou.
Tire DÚVIDAS sobre as vacinas da Covid-19:

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.