a
Todos os direitos reservados 2022
Cardoso & Advogados Associados
.
CNPJ 24.723.912/0001-50

9:00 - 18:00

Abrimos de Segunda - Sexta.

(21) 3189-6625

Aguardamos pelo seu contato

Search
Menu

Indemissível, chefe da Anvisa tenta se diferenciar do Planalto na CPI

Cardoso Advogados Associados > Covid  > Indemissível, chefe da Anvisa tenta se diferenciar do Planalto na CPI

Indemissível, chefe da Anvisa tenta se diferenciar do Planalto na CPI

Por Alon Feuerwerker*

O presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, adotou uma linha de defesa razoavelmente segura em seu depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito da covid-19. Procurou apresentar-se como um quadro técnico e autônomo, e esforçou-se para assim legitimar-se junto à CPI. Foi particularmente útil, para ele, sua determinação de diferenciar-se do presidente da República em temas como máscaras, aglomerações e outros procedimentos universalmente aceitos para dificultar a transmissão viral.

É natural que o chefe da agência de vigilância sanitária possua algum grau de autonomia e possa agir com alguma independência em relação ao governo e ao comandante do Executivo, pois tem mandato e é indemissível. Diferente, por exemplo, da situação do ministro da Saúde, que navega em águas políticas mais turbulentas. A diferença ficou expressa no grau de liberdade com que ambos se moveram diante da máquina de moer carne da CPI.

Aliás, toda CPI é um triturador de biografias. A missão resume-se a sair inteiro do outro lado.

O presidente da Anvisa beneficia-se também de um certo tratamento reverente prestado à burocracia estatal, ou “funções de Estado”. É um traço cultural brasileiro.

Mas se o presidente da Anvisa conseguiu erguer barreiras argumentativas tecnoburocráticas que por enquanto o protegem no caso do veto à Sputnik V, acabou por fornecer à oposição na CPI argumentos em outra frente, ao endossar a desrecomendação do uso de certos medicamentos no tratamento da covid-19, inclusive nas fases iniciais. E terminou por reforçar os desejos de reconvocar o titular da Saúde, ao qual isso certamente será (re)perguntado.

Enquanto o teatro da CPI vai em seus primeiros atos, continua o desafio das vacinas. Há escassez da Coronavac para aplicação da segunda dose, a AstraZeneca acaba de ter suspensa a aplicação em grávidas, a Pfizer chega a conta-gotas. E a dúvida é se o ritmo da vacinação será suficiente para ajudar decisivamente a quebrar a segunda onda de casos e mortes e impedir a ascensão de uma terceira, trazida por novas variantes

*Alon Feuerwerker é analista político da FSB Comunicação

Siga Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter  |   Facebook   |  Youtube