a
Todos os direitos reservados 2022
Cardoso & Advogados Associados
.
CNPJ 24.723.912/0001-50

9:00 - 18:00

Abrimos de Segunda - Sexta.

(21) 3189-6625

Aguardamos pelo seu contato

Search
Menu

O que é o nervo vago e como ele pode ajudar a reduzir o estresse

Cardoso Advogados Associados > Covid  > O que é o nervo vago e como ele pode ajudar a reduzir o estresse

O que é o nervo vago e como ele pode ajudar a reduzir o estresse


Essa estrutura faz a comunicação entre cérebro e órgãos vitais e é fundamental para o funcionamento do corpo. Saber como estimulá-lo poderá nos ajudar a ter uma vida mais saudável. O nervo vago percorre grande parte de nosso corpo e está diretamente relacionado às emoções
Getty Images via BBC
“Nosso corpo é uma pilha de nervos.”
Certamente você já ouviu a frase acima (e pode até ter se identificado com ela num dia mais estressante).
E essa afirmação faz sentido até do ponto vista literal: afinal, os nervos são estruturas periféricas do sistema nervoso que fazem a comunicação entre o corpo e o cérebro.
Eles também permitem a gente se movimentar e ter sensações como dor, calor ou cócegas.
E, entre os muitos nervos que se espalham da cabeça aos pés, um deles certamente ganha destaque: o nervo vago percorre grande parte de nosso corpo e está diretamente relacionado às emoções.
LEIA TAMBÉM:
Entenda a síncope e a síndrome vasovagal
Por que você deve parar tudo e respirar fundo agora
Dá para ‘reverter’ cabelos brancos por estresse, aponta estudo
Entenda como o estresse prejudica o coração
As moléculas de estresse e o sofrimento do ‘coração partido’
O que é o nervo vago?
Seu nome vem do latim nervus vagus.
“Em sua origem, vagus significa vagar e realmente descreve a forma como o nervo e suas ramificações vagueiam pelo corpo”, detalhou a psicóloga Kimberley Wilson durante o programa Made of Stronger Stuff, transmitido na BBC Radio 4, no Reino Unido.
Essa estrutura é dividida em duas: uma parte está no lado direito do corpo e interage com fígado e pâncreas. Do lado esquerdo, a outra ramificação chega a coração, baço, estômago…
Ela ainda passa, de ambos os lados, por pulmões, rins e os intestinos delgado e grosso.
Esse nervo nasce no tronco cerebral, uma região que está localizada mais ou menos atrás das orelhas. A partir dali, desce por cada lado do pescoço, atravessa o tórax e chega até o abdômen.
Ou seja: ele conecta o tronco cerebral a quase todos os órgãos essenciais.
A título de comparação, é como se ele fosse uma grande rodovia ou um um cabo transatlântico com milhares e milhares de fibras de telefone e internet.
“Cerca de 80% desses cabos são sensores, o que significa que o nervo vago relata ao cérebro o que está acontecendo em todos os órgãos”, diz o neurocirurgião Kevin Tracey, presidente do Instituto Feinstein de Pesquisa Médica, nos Estados Unidos, e um dos principais estudiosos desse campo da medicina.
O nervo vago faz parte do sistema nervoso parassimpático, que controla funções automáticas do organismo como a respiração
Getty Images via BBC
Em termos científicos, o nervo vago é um dos principais componentes do sistema nervoso parassimpático, que controla as ações involuntárias do corpo.
“Nós temos o sistema nervoso simpático, que nos deixa preparados para a ação, e o sistema nervoso parassimpático, que funciona como um interruptor de desligamento desse primeiro mecanismo voluntário”, explicou Wilson.
“Assim, o sistema nervoso parassimpático ajuda a alternar os estados de descanso, relaxamento, recuperação, regulação da frequência cardíaca e respiração. São basicamente todas as coisas que garantem a nossa sobrevivência”, listou.
Portanto, se o nervo vago é essa via de comunicação que transmite sinais do corpo para o cérebro, isso pode ter um impacto direto na mente, nos pensamentos e talvez até em nos sentimentos, apontam os especialistas.
Especula-se, por exemplo, qual seria o papel dele no aparecimento de quadros de estresse, ansiedade e depressão.
Você é o que você come
A ciência já sabe há séculos que uma dieta balanceada é um dos primeiros passos para ter uma boa saúde.
Mas como essa alimentação boa e variada se traduz no funcionamento do nosso corpo? E o que o nervo vago tem a ver com isso?
Para entender esse processo, é preciso antes saber o que é o microbioma.
O microbioma é um conjunto de micro-organismos que habita várias partes do corpo, como os intestinos
Getty Images via BBC
Em resumo, trata-se de um conjunto de micro-organismos (como bactérias e fungos) que vivem em várias partes do corpo, principalmente nos intestinos.
Esses seres microscópicos são responsáveis por defender o organismo de patógenos invasores, que podem ganhar terreno e provocar doenças.
Eles também nos ajudam a fazer a digestão e extrair certas substâncias dos alimentos, que fazem bem para o cérebro.
Mas para que essas tais substâncias cheguem até a cabeça, elas precisam percorrer um longo caminho.
E é justamente aqui que o nervo vago entra na história.
“Existem muitas vias de comunicação entre o intestino e o cérebro, mas talvez a mais estudada e pela qual temos muito interesse é o nervo vago”, explica o neurocientista John Cryan, da Universidade College Cork, na Irlanda.
“Gosto sempre de lembrar às pessoas que o que acontece no nervo vago pode afetar até nossas emoções”, completa o especialista.
E há outro aspecto interessante aqui: o microbioma pode ser modificado por meio da dieta.
Cryan lista uma série de alimentos que contribuem para um conjunto de micro-organismos mais saudáveis.
É o caso, por exemplo, de iogurtes naturais, kefir e kombucha. Eles trazem bactérias benéficas, que podem recolonizar e balancear os intestinos.
Já frutas, legumes e verduras são ricas em fibras, que servem de alimento para os seres microscópicos que habitam o corpo, especialmente o tubo digestivo.
“O componente fibroso dos vegetais supre o microbioma e isso permite a síntese de produtos químicos. Isso, por sua vez, estimula o nervo vago a ativar algumas partes do cérebro relacionadas aos sentimentos”, explicou o médico Xand van Tulleken à BBC Radio 4.
O avanço do conhecimento nesta área durante os últimos anos aumentou o interesse pelos probióticos e prebióticos, que são substâncias presentes em alimentos ou suplementos que tem esse potencial de equilibrar o microbioma dos intestinos por meio de vários mecanismos.
O iogurte natural é um exemplo de alimento que traz bactérias boas, que ajudam a regular o microbioma
Getty Images via BBC
Mas a fronteira científica vai além: será que, ao mexer com os micro-organismos que habitam o interior do tubo digestivo, não podemos também estimular o cérebro atráves do nervo vago e controlar emoções negativas ou o estresse?
Contudo, vale fazer a ressalva: por mais que essa seja uma área interessante e recheada de novidades, ainda há muitas perguntas sem respostas.
Também precisamos ainda de muito estudo para entender todos os mecanismos que ligam uma coisa à outra e as maneiras que podemos intervir nesse processo.
Como estimular o nervo vago
Existem tratamentos médicos que manipulam o nervo vago por razões terapêuticas. Em casos específicos, os especialistas usam um aparelho parecido a um marca-passo, que dá pequenos choques elétricos.
Atualmente, esse tipo de dispositivo tem um uso limitado, especialmente para quadros de depressão e epilepsia que não respondem a nenhum outro tratamento.
“O aparelho envia um estímulo elétrico suave e regular ao longo do nervo vago. De alguma forma, isso acalma a atividade cerebral irregular que leva às convulsões [típicas da epilepsia]. Portanto, pode ser que essa ativação faça com que o cérebro libere neurotransmissores que reduzem a atividade convulsiva “, detalhou van Tulleken.
Mas a eficácia desta alternativa ainda varia muito dependendo do paciente.
A instalação de marca-passos no nervo vago pode estimular a produção de neurotransmissores no cérebro capazes de regular as emoções
Getty Images via BBC
Também existem pesquisas sobre a estimulação do nervo vago que podem ser aplicadas a tratamentos para doenças que causam inflamação, como a artrite reumatóide, que afeta as articulações.
“Se você entender que o nervo vago tem a capacidade de funcionar como um freio e parar a inflamação, existe a possibilidade de cortar essa estrutura ou instalar dispositivos que possam controlar um mau funcionamento ali”, avalia Tracey.
Mas, enquanto a medicina avança e descobre novos recursos terapêuticos, será que existe uma maneira um pouco mais fácil de estimular o nervo vago?
Algumas das sugestões para mexer com essa parte do sistema nervoso incluem cantar e repetir mantras.
Um estudo de 2013 com participantes de um coral mostrou que atividades musicais ajudam, por exemplo, a manter o compasso dos batimentos cardíacos. E essa regulação acontece graças ao nervo vago.
Atividades como a ioga têm o potencial de estimular o nervo vago
Getty Images via BBC
“Atividades como cantar ou recitar uma música fazem a garganta vibrar e levam a uma respiração mais profunda, que estimula esse nervo”, acrescenta Wilson, que também cita a ioga como uma opção de atividade que mexe com essa e outras estruturas do sistema nervoso.
No meio de tantas novidades, é curioso pensar como coisas básicas, caso de comer e cantar, e outras tão modernas e avançadas, como cirurgias e marca-passos, podem atuar num nervo tão importante — e, quem sabe, até facilitar a comunicação do cérebro pelo bem da saúde do corpo (e da mente).
VÍDEOS: Viva Você, saúde e bem-estar

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.