a
Todos os direitos reservados 2022
Cardoso & Advogados Associados
.
CNPJ 24.723.912/0001-50

9:00 - 18:00

Abrimos de Segunda - Sexta.

(21) 3189-6625

Aguardamos pelo seu contato

Search
Menu

Recrutamento de voluntários para os testes da Covaxin deve começar em junho, diz coordenadora do estudo no Brasil

Cardoso Advogados Associados > Covid  > Recrutamento de voluntários para os testes da Covaxin deve começar em junho, diz coordenadora do estudo no Brasil

Recrutamento de voluntários para os testes da Covaxin deve começar em junho, diz coordenadora do estudo no Brasil


Início dos testes depende da aprovação da Comissão Nacional de Ética e Pesquisa (Conep). Vacina será testada em 4,5 mil pessoas no país. Quatro estados participarão dos testes: São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso e Bahia. Voluntários serão acompanhados por 12 meses a contar do dia da primeira dose da vacina. Que vacina é essa? Covaxin
Os voluntários que participarão dos testes de fase 3 da vacina indiana Covaxin devem começar a ser recrutados no início de junho, segundo a coordenadora do estudo no Brasil, Glaucia Vespa.
“Esperamos a aprovação ética da Comissão Nacional de Ética e Pesquisa (Conep). Uma vez aprovado, vamos divulgar quais centros de pesquisa recrutarão os voluntários no Brasil”, explica a coordenadora.
Os testes de fase 3 da Covaxin foram autorizados na quinta-feira (13) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A vacina será testada em 4,5 mil pessoas, nos estados de São Paulo (3 mil voluntários), Rio de Janeiro, Bahia e Mato Grosso (500 voluntários cada).
O Hospital Israelita Albert Einstein será o responsável por coordenar os estudos em todo o Brasil. “Alguns testes laboratoriais serão feitos aqui e outros no laboratório deles, na Índia. São eles: análise de PCR para confirmar casos suspeitos nos voluntários brasileiros e testes para avaliar soropositividade para SARS-CoV-2 antes de iniciar o estudo”, diz Vespa.
Covaxin é produzida pela indiana Bharat Biotech
Reprodução/Instagram/Bharat Biotech
Qualquer pessoa interessada pode participar, desde que atenda os critérios:
18 anos ou mais
Nunca ter tido Covid-19
Não ter morado na mesma casa com alguém que esteve com Covid-19
Se for mulher, não pode ser grávida e nem estar planejando engravidar em breve
“Essas pessoas poderão se dirigir aos centros de pesquisa e assinar um termo de consentimento. Se a voluntária for mulher, passa por teste de gravidez. Os voluntários também fazem exames de sangue”, completa a coordenadora.
A vacina será aplicada em duas doses, com intervalo de 28 dias. Um grupo de voluntários receberá o placebo e o outro, a vacina. Nem os participantes, nem os cientistas saberão quem tomou ou não o imunizante (o que é chamado de “duplo-cego”) e a escolha será aleatória (randomizada).
Os participantes serão acompanhados por 12 meses a contar do dia da primeira dose.
O estudo autorizado, de fase 3, vai testar a segurança, a eficácia, a geração de anticorpos (imunogenicidade) e a consistência entre lotes da vacina em larga escala. A Covaxin é uma vacina de vírus inativado – assim como a CoronaVac, que já está sendo usada na vacinação no Brasil (veja infográfico abaixo).
Infográfico mostra como funcionam vacinas inativadas contra o coronavírus
G1
Eficácia preliminar
A Covaxin apresentou eficácia geral de 78% nos casos sintomáticos e de 100% em casos graves, segundo dados divulgados pela Bharat Biotech e pelo Conselho de Pesquisa Médica da Índia (ICMR).
Os dados fazem parte da segunda análise provisória de testes clínicos de fase 3. A primeira análise provisória foi feita em março deste ano e apresentou eficácia de 81%. Os resultados de segurança e eficácia da análise final estarão disponíveis em junho.
Em janeiro, clínicas privadas divulgaram que estavam negociando com a Bharat Biotech a compra de 5 milhões de doses da vacina indiana. O imunizante foi aprovado para uso emergencial na Índia no começo do ano.
VÍDEOS: Vacinação no Brasil

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.