a
Todos os direitos reservados 2022
Cardoso & Advogados Associados
.
CNPJ 24.723.912/0001-50

9:00 - 18:00

Abrimos de Segunda - Sexta.

(21) 3189-6625

Aguardamos pelo seu contato

Search
Menu

Rio libera aplicação de 2ª dose da Pfizer caso AstraZeneca esteja em falta

Cardoso Advogados Associados > Covid  > Rio libera aplicação de 2ª dose da Pfizer caso AstraZeneca esteja em falta

Rio libera aplicação de 2ª dose da Pfizer caso AstraZeneca esteja em falta

A Secretaria estadual de Saúde (SES) informou que está publicando, nesta segunda-feira, uma nota técnica que autoriza o uso de segunda dose da vacina contra a Covid-19 da Pfizer em pessoas que receberam a primeira da AstraZeneca. A pasta frisou, porém, que a chamada intercambialidade só poderá ser colocada em prática “caso o estado do Rio de Janeiro não receba doses do imunizante Oxford/AstraZeneca em quantidade suficiente para completar o esquema vacinal de quem já recebeu a primeira dose”.

A prática já havia sido autorizada pelo Ministério da Saúde no fim da última semana, também por meio de uma nota técnica. Assim como o órgão estadual, o ministério também pontuou que a medida só deve ser adotada se houver indisponibilidade de doses da AstraZeneca, que está com o estoque em baixa em várias cidades e estados do país.

  • Já imaginou ter acesso a todos os materiais grátis da EXAME para investimentos, educação e desenvolvimento pessoal? Agora você pode: confira nossa página de conteúdos gratuitos

De acordo com a SES, cerca de um terço das 700 mil doses de vacina distribuídas aos municípios no último fim de semana eram da Oxford/AstraZeneca. Ainda segundo a pasta, as 233 mil unidades do imunizante tinham como destino exclusivamente a segunda aplicação. “A SES ressalta que todas as doses de vacina enviadas pelo Ministério da Saúde ao estado são imediatamente disponibilizadas aos municípios”, diz o texto enviado pela secretaria.

A SES afirmou ainda que a decisão de liberar a intercambialidade nesses casos específicos “foi tomada em conjunto com a equipe de especialistas do Conselho de Análise Epidemiológica que assessora a vigilância estadual”. “A SES reforça que a intercambialidade do imunizante só deve ser realizada pelos municípios caso ocorra de fato a falta da vacina Oxford/AstraZeneca”, ressaltou a pasta.